Hora de Mudar

Ano Novo. Hora de Mudar.

Ano Novo. Hora de Mudar.

Ano Novo. Hora de Mudar.

Durante nossa vida tem momentos em que é preciso virar o jogo e buscar a transformação. Mas para que isso aconteça, algumas coisas precisam ser repensadas.

Todo final/começo de ano é inevitável fazer uma lista, mesmo que seja só mentalmente, de desejos e resoluções e assim sonhar que no ano que começa vamos viver aquela grande paixão, fazer a viagem dos sonhos, arrumar nossa vida financeira, perder uns quilinhos, etc. etc.

Mas, só esquecemo-nos de um importante detalhe para que tudo isso aconteça: “nós precisamos fazer acontecer”, pois nada vai cair do céu.

E o que fazemos? Nada.

Por que será?

Por que temos tanta resistência e medo em fazer mudanças?

O que fazer então para tornar nossa vida melhor?

Se soubermos responder a essas simples perguntas poderemos sim, ter um ano mais feliz.

Acredite, a descoberta dessa resposta funciona mais do que fazer a lista.

Vamos a algumas dicas para ajudar a pensar nessas respostas.

Sim mudar dá muito trabalho. Vença a preguiça. Tem que olhar suas dificuldades, aceita-las de uma vez por todas e planejar uma serie de ações para vencê-las, sacudir a poeira e agir com muita determinação, se comprometer e tomar atitudes que realmente sinalize as mudanças.

Todo mundo tem resistência para sair da zona de conforto, sair da inercia, vencer a preguiça (veja esse texto aqui no blog: http://teste.horademudar.com.br/a-sindrome-do-sapo-fervido/

Pare de ficar enrolando, adiando, fazendo de conta que a situação não existe, se enganando com “coisas mais importantes”, como ir ao supermercado, atender uma amiga que quer falar do namorado, fazer aquela viagem não programada porque te chamaram, fazer aquela caminhada porque ela nunca me chama para nada.

Nada contra tudo isso mas, será que não dava para fazer tudo isso sem esquecer-se do principal?

E o “principal” o que é para você? Não sabe?

Descobrir o que é o “principal “ para você pode ser feito com muito prazer. Aproveite as férias para, entre uma caipirinha e outra, pensar no assunto e planejar mudanças para tornar sua vida melhor.

O que você precisa mudar em sua vida e em si mesma para sua profissão decolar de vez?

O que precisa fazer para resolver aquele relacionamento que não ata e nem desata?

Claro que vai ter que trabalhar o apego que tem à família. É super confortável morar na casa dos pais, mas com 30 anos ou mais está na hora de sair voando e deixar de jogar sua vida fora por causa do seu amor ao conforto e o pavor do desconhecido.

Lembre-se de uma coisa: quem não muda geralmente é mudado às vezes de uma forma muito mais dura do que uma mudança gradual, consentida e planejada.

Vida é movimento, tudo o que está parado, estático, rígido, seco, está morto. Essas são as características básicas que assinalam a presença da morte.

Por onde começar? Tem-se uma área da vida onde as mudanças são rápidas e dinâmicas e acontecem a todo tempo é o mundo corporativo.

Sim, parece que não tem nada a ver diretamente com você, mas entender como funciona o mundo corporativo e as pessoas que fazem parte dele podem nos ajudar, e muito, no que diz respeito a fazer mudanças.

Tanto que hoje existem profissionais – muito bem pagos, por sinal – que ensinam executivos a fazer exatamente isso: mudar.

É o trabalho do “personal coach”, que nada mais é do que um técnico particular que enxerga, com os olhos bem treinados, o que você anda fazendo com o jogo da sua vida.

É interessante escutá-los, principalmente porque não dão conselhos a ninguém: ao contrário, estimulam seus clientes a dar suas próprias respostas apenas fazendo boas perguntas. E a primeira questão que um “personal coach” coloca a seus clientes em seu consultório é: você sabe o que quer mudar na sua vida?

Pois é: a maioria não sabe.

Você acha que quer mudar alguma coisa, só que não sabe que para isso vão ter que modificar uma série de outras, muito mais profundas, para atingir a transformação que deseja na vida.

Enfim, qualquer mudança, mesmo a mais simples, fará você entrar em contato consigo mesmo e com aquilo que o desafia internamente.

Se pergunte o que realmente você quer mudar em sua vida? E o que você precisa mudar em si mesmo para conseguir isso?

Para se ter uma idéia da importância dessas duas perguntinhas, digamos que numa série de dez sessões com um consultor de coaching, três ou quatro delas – portanto, quase metade do processo – será destinada a esclarecer apenas esses dois pontos.

Você é brilhante com o que faz, mas tem problema sérios com prazos. Não tem noção do tempo. Se propõe a cumpri-los, compromete-se por um tempo e depois caía na mesma história.

Para algumas coisas consegue cumprir prazos sem problemas. É pontual para entrar no trabalho, paga direitinho as prestações do carro, que adora de paixão, ou seja, o mundo se divide em coisas que gosta de fazer e as que não gostam (mais ou menos como para todos nós).

Percebe que, para as coisas que gosta dá tudo. Para as coisas que não gosta nada.

Não está na hora de pensar no assunto e mudar?

Tem uma técnica que indica o caminho, que dá muito certo, é fácil de fazer e pode nos mostrar o que realmente mudar. É uma forma fácil de perceber onde nossa vida está desiquilibrada.

Divida uma folha de papel em quatro partes e coloque em cada uma parte de sua vida: a vida pessoal, a vida profissional, a qualidade de vida e seus relacionamentos.

Agora coragem e seja sincera com você mesma.

Na vida pessoal coloque como está sua autoestima, os cuidados saúde e com o corpo, como está seu equilibro emocional, como está se desenvolvimento intelectual.

Na vida profissional quais suas metas, as dificuldades, e quanto tempo o trabalho está ocupando de sua vida, está sendo reconhecida, sente que está contribuindo socialmente.

Na qualidade de vida coloque quanto está feliz, está se divertindo com o que faz, tem algo que se dedica como algum esporte, hobbies. E sua espiritualidade está cuidando dela? Quanto se dedica a meditar, a pensar no seu desenvolvimento interior, a pensar enfim na vida.

E seus relacionamentos? Como está o relacionamento com sua família, seu relacionamento amoroso, como está sua vida social.

Vai logo perceber que há um desequilíbrio, que uma ou mais partes estão mais pesadas que outras. O ideal é que elas estejam o mais próximo possível e não muito diferentes.

Ataque inicialmente pela parte mais desiquilibrada e depois de um tempo repita a analise para ter ideia do já mudou e o que ainda tem que ser mudado. Vai assim progressivamente mudando aos poucos, suavemente sem sofrer muito mas sempre em frente.

Nada muda se o corpo mente e espíritos não estiverem numa só direção.

Então mãos a obra com vontade. Sem entusiasmo e o desejo sincero de trabalhar por uma meta, você não inicia a sua transformação. O primeiro passo tem de ser forte, vibrante, cheio de energia. Nada que se inicia com um impulso fraco duro, pois não têm força suficiente em si mesma para ser levada adiante.

É importante fica de olho na meta. O que faz todo sacrifício ser suportável, e o esforço compensar é a meta, saber a satisfação que ela nos dará.

Nada melhor para renovar a relação que o estabelecimento de novas metas e sempre lembrar que as mudanças que fará vai te trazer felicidade e nem sempre serão as que a família ou sociedade vai aplaudir.

Meditar para mudar? Sim. A meditação é o que de melhor pode haver para acalmar as vozes internas, clarear o espírito, aumentar a nitidez de foco da sua meta.

Se leu esse texto até aqui já deu o primeiro passo, agora, coragem, fé em Deus e pé na tábua.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × quatro =

%d blogueiros gostam disto: