Hora de Mudar

Machismo Feminino

Machismo Feminino

 

complejo_de_edipo

Na realidade o machismo no Brasil se deve muito às mulheres que acabam transmitindo aos filhos os piores preconceitos. O machismo da mulher brasileira aumenta quanto menor é a educação. Quanto mais informação e mais educação os parceiros tem, mais transparente e igualitária será a relação.  

O século 20 foi de muitas mudanças e conquistas para as mulheres brasileiras. Conquistaram o direito de votar, tomar anticoncepcionais, usar biquíni e não usar sutiã, entrar num bar para beberem sem a companhia de um homem, a independência profissional e econômica.  

Hoje são independentes e reclamam dos homens, mas não conseguem viver fora da órbita do homem. São vítimas do seu próprio machismo e são dependentes da aprovação e do desejo masculino. As mulheres precisam parar de querer ter um homem só para chamar de seu.  

Se já não há nenhum preconceito no ambiente profissional devido principalmente ao avanço e até domínio na formação universitária, elas são liberais, competitivas e tolerantes na vida pessoal ainda continua tudo na mesma.  

No papel de mães não gostam que o filho lave a louça, saem correndo para pegar quando filho grita onde está meia ou a cueca, se o filho leva um fora à culpada é a menina, e o protege de tudo e de todos.  

Na vida pessoal ela quer ser chamada de docinho, gostosa, mamão com açúcar e leem todas as revistas femininas que prometem emagrecer rápido e estarem prontas para o verão e conquistarem todos os homens.  

Por conta do avanço as mulheres estão mais seletivas, não querem um parceiro que queira apenas substituir a mãe, e por isso quando consciente e realizada preferem estar só a mal acompanhadas.  

A mulher de hoje conquistou sua liberdade sexual e financeira e é o grande agente de mudanças, quebrando o paradigma de mulher da casa e mulher da rua.  

Apesar dessa evolução a mulher brasileira continua se vendo através do olhar masculino. Ela continua querendo ser desejada e é só olhar as revistas femininas para percebemos que nada mudou desde os tempos antes das queima dos sutiãs.  

O desejo da mulher brasileira não é se realizar profissionalmente, fazer o que gosta viajar, conhecer o mundo. Ela prefere correr atrás do Príncipe Encantado e ter uma argola no dedo, mesmo que o casamento dure apenas algumas semanas.  

Com a revolução feminina muitas mulheres viraram homens de saias, quando deviam apostar nas qualidades femininas como capacidade de realizar várias tarefas ao mesmo tempo, criatividade, capacidade de negociação e harmonização.  

A mulher pode, sim, realizar-se através do trabalho doméstico e não necessariamente no trabalho externo. Desse ponto de vista elas só estariam dando continuidade a uma longa tradição, discreta e oculta, que é a independência adquirida por meio de atividades desenvolvidas no lar. Nossas avós, quando trabalhadoras domésticas, já conheceram essa situação e a tecnologia só ajuda a torná-lo mais eficiente. 

É preciso que as mulheres entendam uma nova realidade que está posta: hoje uma fatia da população masculina quer levar a vida sem as responsabilidades com filhos, financiamento imobiliário, ter de trabalhar de terno e gravata, ter horários e no futuro ter que arcar com uma pensão para o resto da vida.

Infelizmente os homens hoje estão sofrendo da síndrome de “Peter Pan”, o menino que não queria crescer jamais, ou “adultescente”.

A chamada “síndrome de Peter Pan” não é uma doença, não existe clinicamente, ela aparece em 1983 com o livro “The Peter Pan Syndrome: Men Who Have Never Grown Up” (a síndrome de Peter Pan: homens que nunca cresceram), do americano Dan Kiley.

O livro já tentava explicar que os homens que se recusam a amadurecer seriam incapazes de estabelecer uma identidade, uma carreira e um relacionamento amoroso duradouro e estável. No Brasil, o último Censo de 2010, considerou jovem a população entre 15 e 29 anos.

Mas, para alguns especialistas, isso não significa imaturidade. É fazer juízo de valor, não dá para dizer se é certo ou errado. Questões como comprar uma casa ou ter filhos começaram a ser adiadas porque os homens também mudaram e começaram a ver que existem outros jeitos de se viver.

No mundo atual as escolas e os pais influenciam a vida de crianças que, no futuro, se se transformam em “Peter Pan”, evitando responsabilidades. Os pais e principalmente as mães fazendo tudo que eles querem passam a informação de que é possível conseguir as coisas sem muito esforço,

carrinhosAssim os homens procuram evitar a vida adulta, tenta não pular de um mundo de cooperação para um de competição.

Alguns mesmo casando continuando gastando fortunas em gibis, miniaturas de personagens, “carrinhos”, skates, vídeos games, filmes de aventuras, pranchas, esportes, e tem aqueles que não chamam atenção por preservar gostos “infantis”, mas que mesmo assim têm comportamento de “adultescente”.

Com isso vive um mundo irreal, atrapalhados financeiramente, muitas vezes sem convênio médico, ignorando coisas como fazer a declaração de Imposto de Renda.

Vivem como gostam, ouvem sempre de amigos bem sucedidos que sentem inveja dele e isso o enche de orgulho, mas temem a gozação de serem tratados de “Peter Pan” ou de moleque.

Esse comportamento infanto-juvenil irrita cada vez mais as mulheres atuais que acabam tendo dificuldades para encontrar um parceiro que a complete e com quem possa fazer planos e projetos de vida.

trevo de 4 folhas

 

 

 

Mulheres HORA DE MUDAR e procurar entender qual deve seu novo papel nessa nova realidade.

BOA SORTE

 

3 thoughts on “Machismo Feminino

  1. Maria José Aguirre

    As mulheres estão tão infantis como os homens. Os filhos ficam com avós,tias, escolas,vizinhos…ninguém quer mais nada!

  2. Neide

    Adorei o texto, concordo com tudo, realmente as mulheres ainda acham que sua valorização só se completa se tiver um homem, pra chamar de seu. quando casada algumas amigas sempre me perguntavam, porque nunca dizia meu marido, eu respondia, não é meu, não tenho posse sobre ninguém, pois como diz o ditado, ninguém é de ninguém na vida tudo passa.

  3. elaine

    Sentimentos antagônicos ao ler esse texto: não gostei das palavras que dizem q as mulheres estão à procura de homens e da magreza, e que protegem seus filhos até da louça suja! Por outro lado, gostei de saber q sou diferente do que eu não gostei. Vai ver que é porisso que tenho dificuldade pra ler as revistas femininas e fazer dietas, kkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − 2 =