Hora de Mudar

O relacionamento continua porque é amor ou apenas comodismo?

O relacionamento continua porque é amor ou apenas comodismo?

Esse relacionamento pode ser com uma pessoa ou com uma empresa. Reagimos da mesma maneira. Reflita se esse relacionamento merece ou não uma nova chance e MUDE. Quando chegamos a nos questionar sobre um relacionamento, seja ele qual for, chegou à Hora de Mudar

Tem gente que gosta de acumular coisas. Outras acumulam pessoas ou acumulam empresas.

Quantas vezes, com medo de ficar só, preferimos manter relações já desgastadas, sem o prazer de antes? Vamos arrastando o peso do comodismo, fechando os olhos para novas oportunidades. Até enxergamos a situação e todas as oportunidades, mas ficamos paralisados e não tomamos a iniciativa de encarar o novo, as oportunidades.

Deve estar pensando agora: quantas relações assim eu mantenho em minha vida, com medo do novo?

Se no amor é preciso combinar a falta de compreensão, de companheirismo, de diálogo, de respeito e de confiança para ver acabar um amor, no relacionamento profissional a falta de um só desses fatores já é o suficiente para saber que é hora de mudar. Conforme o tempo passa, a sensação é de que tudo que já existiu está acabando. Como num quadro colorido que vai perdendo suas cores fortes, por acúmulo de poeira ou exposição ao sol. Pura falta de cuidado.

Afinal, você quer ter razão ou ser feliz? 

Muitos profissionais continuam na empresa, mas não se sentem satisfeitos. Acabam reclamando com freqüência das decepções causadas por tarefas não entendidas, mudanças de rumos causadas pelo mercado e desconfianças de toda ordem.

No relacionamento pessoal é a mesma coisa. Casais permanecem juntos, mas não se sentem satisfeitos e vivem reclamando o tempo todo das brigas, das discussões, da falta de compreensão, do companheirismo, do egoísmo e desconfianças.

O que nos paralisa? O medo do desconhecido? O medo de não ser capaz? O medo de ficar só ou desempregado?

Realmente situações mal resolvidas são difíceis, mas não impossíveis. Não sabemos a nossa força interior, e quando decidimos e acreditamos no que queremos com o nosso coração, realizamos mudanças, as mais inusitadas.

Apostar na própria transformação é a única maneira de realmente tentar reinventar uma relação de amor, seja pessoal ou profissional. Quem tem que mudar é você e não seu companheiro (a) ou empresa.

Ao penetrarmos em nossas fraquezas, vamos descobrir a prepotência, o orgulho, a vaidade, a intransigência e o próprio desgaste pessoal, tudo combinado com a falta de amor próprio e desonestidade consigo mesmo. Nosso orgulho nos cega e nem percebemos que quando procuramos preencher o vazio interno com outro relacionamento, na realidade estamos querendo ter razão (impor nossa idéia) e não ser feliz. É importante assumir suas próprias dificuldades e parar de apontar o outro como a causa do seu descontentamento. Fazendo isso a chance é grande de reviver o relacionamento e voltar a ser feliz.

Olhe para dentro de si e pare de culpar o outro. Defina claramente e sinceramente a relação que deseja e mude suas atitudes. Ninguém consegue mudar o outro se antes não mudar a si próprio.

Mas como vou mudar a empresa? Se você conseguir definir exatamente o que espera desse relacionamento e mudar para alcançar esse objetivo, vai se surpreender, a empresa mudará de atitude com você. Lembre-se não é ela que muda e sim você.

Na vida amorosa é a mesma coisa. O maior problema dos relacionamentos é que esquecemos o quanto amadurecemos, crescemos, mudamos com o tempo. Devemos caminhar juntos, lado a lado, conforme nosso próprio desenvolvimento. Jamais teremos os mesmos sentimentos do início, até porque não somos mais os mesmos. Mas podemos alimentar com carinho todas as diferentes fases de nossas vidas juntos. Transformando todos os dias em um novo recomeço.

Não devemos nunca ser dependente de outra pessoa. Essa é a pior coisa que podemos fazer a nós mesmos. Se você está à espera que alguém o faça feliz, ficará interminavelmente desiludido.

A felicidade mora dentro de nós, só dependemos de nós mesmos para ser feliz. Depositar em outro essa responsabilidade não é junto consigo e nem com a outra pessoa ou empresa. Se você estiver disposto (a) a reconquistar estará sempre fortalecendo ainda mais o respeito, a admiração, o reconhecimento, a amizade e o amor.

É um circulo vicioso e virtuoso.

Quando um se modifica, o outro inevitavelmente também muda. Sabe por quê? Por que criastes o clima positivo dos momentos iniciais do relacionamento. Mas se já está cansado (a) e chegou à conclusão que não tem mais jeito, não adianta insistir.

Respire fundo, se encha de coragem, de amor por você e pelo outro, retome o controle de sua vida e seja feliz mesmo assim.

A vida passa rápido, não se acomode nunca. Claro que não é fácil. Reconhecer nossas fraquezas é muitas vezes dolorido, mas não vai se arrepender. Na nova oportunidade tudo será diferente, pois com a lição aprendida fará diferente, mesmo que seja nesta relação desgastada.

Temos que construir relações com as qualidades e não ficar acusando. Só temos condições de falar de nós mesmo, nunca do outro (a). Quem se preocupa em ficar achando os erros do outro na relação não tem tempo para o amor.

Cuidar do jardim de uma relação é antes de tudo cuidar do amor que temos por nós mesmo.

2 thoughts on “O relacionamento continua porque é amor ou apenas comodismo?

  1. nanapiacente

    Quando vc perguntou: Quantas vezes, com medo de ficar só, preferimos manter relações já desgastadas, sem o prazer de antes?
    Eu respondo: “O tempo todo”. Temos realmente esse medo de ficar sozinho, medo do que vai acontecer..
    Precisamos procurar mais qualidade nos relacionamentos e menos comodidade.
    Adorei o texto, você abordou muito bem o tema.
    Bjs

  2. Raquel

    Sr Autor, o título deste seu texto me fez parafrasear na seguinte questão: Amamos porque somos amados ou somos Amados porque amamos?? Acredito que um relacionamento deva continuar apenas por amor, um amor que sem dúvida tem que começar pelo amor próprio. Porque ninguém é capaz de amar outra pessoa se não se amar!
    Queremos muitas vezes ter alguém e não somos capazes de nos termos por umas horas que seja de deleite solidão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 − nove =