Hora de Mudar

Segunda chance?

Segunda chance?

Segunda chance?


❤️

Uma vez ouvi, não me lembro ao certo as palavras: “voltar pra um velho amor é que nem ler um livro pela segunda vez – você já sabe como vai terminar.” A mesma coisa que assistir novamente aquele filme antigo no Netflix. Sábio quem disse essas palavras…

Talvez muitos pensem, com o coração cheio de romantismo, que pode ser exagerado, pois quando há amor tudo se supera, tudo se conserta.A realidade, nua e crua, tem se mostrado totalmente impiedosa, contrária a esse nosso ideal romântico de relacionamentos.

Ficar com alguém só por amor é uma péssima ideia. É algo como ter um carro, mas sem o motor. Lindo aos olhos, mas não se move, não te leva a nenhum lugar.

As pessoas que insistem a não acreditar nesse fato fatalmente acabam quebrando a cara inúmeras vezes.

O amor é necessário, sem dúvida, mas somente ele, sozinho, nunca sustenta uma relação. É preciso muito mais do que isso.

Equilibro, respeito, paciência, parceria, companheirismo, cumplicidade, empatia, objetivos de vida similares, sexo de qualidade, são apenas algumas dentre as muitas coisas necessárias pra se sustentar um relacionamento saudável entre duas pessoas distintas. Até das coisas “erradas” de ambos podem contribuir para o sucesso da relação, desde que elas não anulem as características boas da relação. Sem elas, nem todo amor que houver nessa vida é o bastante.

Quando um relacionamento termina, é porque alguns dos pilares básicos não estavam fortes o suficiente, e, na maioria das vezes o amor não é um deles. É muito comum testemunhar casais que terminam ainda se amando. O amor intacto, mas outros pilares não estavam bem estruturados o que torna muito difícil a continuidade de um relacionamento feliz, saudável.

A saudade da rotina, as noites frias de domingo sozinha na cama, a carência, nos fazem acreditar no contrário. É muito mais difícil resistir do que ceder. Não temos mais o conforto de uma relação que fez parte da nossa existência por tanto tempo. E diante dessa nova realidade, ficamos frágeis e assustados.

O recomeço é sempre difícil, nos consome muito, existe o medo do fracasso. Machuca o vazio que fica.

Eis que, no meio desse turbilhão de emoções, o “ex” aparece, dando uma luz no fim do túnel. Como nossa mente muitas vezes pode ser traiçoeira, acreditamos facilmente que ele apareceu pra colocar nossas emoções no lugar, nos tirar desse desconforto todo… E pior: acreditar cegamente que tudo será diferente, que tudo vai mudar. Resultado: voltamos. E com isso, passada a fase de empolgação do recomeço, descobrir que nada mudou.

É fácil comparar essas segundas chances como alguém jogando futebol. Entra no jogo pra ganhar, até que numa dividida, se estatela no chão, e torce o pé. Você sente a dor, passa remédio, das umas pisadas no chão de leve, sente que não dá. Mas a vontade de vencer o jogo é tão grande, no calor da emoção, já sai jogando de novo, mal a dor cessou. Até que num próximo lance, outra dividida, e se estatela no chão, com o pé torcido.

O pobre pé que estava começando a se recuperar, retrocede, ficando ainda mais machucado do que antes. Tudo isso porque você não soube dar-lhe o tempo necessário pra se recuperar, pra se renovar, pra se curar.

Agora faça uma troca: o pé pelo seu coração – é assim que você age quando volta pra um amor antigo. Seu coração estava no processo de cura, precisando de cuidado, de isolamento, de paz, até que estivesse pronto pra outra. Mas você ignorou o aviso do corpo. Se entregou novamente àquele amor antigo, que você sabia que lhe faria mal, cedo ou tarde. Se tivesse dado o tempo necessário para a cura completa, aí sim estaria pronta pra jogar futebol novamente e explorar outros campos pelo mundo. Dessa vez, consciente, fortalecida e preparada. Mas você foi fraca e, como não poderia ser diferente, estatelou seu coração mais uma vez. 🌟

Faz parte desse processo, quando um relacionamento acaba, esquecer, seguir em frente. E hoje li: “A felicidade não pertence aos que vivem melhor. A felicidade pertence aos que esquecem melhor.” Faz todo sentido! 🌟

Por isso, sempre que nos sentirmos tentados a dar uma outra chance pra algo/alguém que nos fez mal, deveríamos nos lembrar que a vida é boa, que é bela, e que estamos aqui em contagem regressiva, por isso não há tempo pra apostar nos mesmos erros.

É hora de mudar.

Só assim estaremos prontos, antes de qualquer coisa, para dar uma segunda chance pra nós mesmos. Temos de lembrar que o maior amor, é o amor próprio. Não podemos dar prioridade a um amor que era menor que o nosso amor próprio….

🌟

One thought on “Segunda chance?

  1. elaine

    “a fila anda” e com o pé machucado a gente tb anda, mas com o medo da dor a gente trava.
    Vamos sem medo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 − 5 =