Hora de Mudar

Violência contra as mulheres

Violência contra as mulheres

Violência contra as mulheres

Difícil não comentar quando se lê nas notícias que a Luiza Brunet, que sempre tomou todos os cuidados na sua vida particular, foi agredida pelo seu ex quando o acompanhava para o recebimento de um prêmio em Nova York. Essa agressão custou a ela quatro costelas quebradas.

O agressor nega, mas até o esclarecimento total do episódio vamos ficar com a declaração da Luiza Brunet, até porque esse é um caso recorrente nas relações.

“É doloroso aos 54 anos ter que me expor dessa maneira. Mas eu criei coragem, perdi o medo e a vergonha por causa da situação que nós, mulheres, vivemos no Brasil. É um desrespeito em relação à gente. O que mais nos inibe é a vergonha. Há mulheres com necessidade de ficar ao lado do agressor por questões econômicas, porque está acostumada ou mesmo por achar que a relação vai melhorar“, disse ela.
violencia 1
Sempre é difícil perceber como são essas pessoas. Começam boazinhas e as vezes continuam assim por muito tempo.

Eu mesmo conheci um que durante o período da paquera, do inicio do relacionamento se desdobrava em agradar, era romântico, chegava a ser meloso, sempre tinha grandes programas e sabia como agradar a mulher que queria conquistar. Era só estabelecer o vínculo mudava totalmente, os programas começavam a rarear até parar totalmente, e a qualquer motivo ficavam irritados.

Na primeira vez tentei ajudar o casal contornando a situação, mas logo percebi que não teria jeito e a partir daí sempre que solicitado pela companheira meu conselho era romper, mas essas minhas palavras não são bem entendido por elas.

Ë importante que as mulheres percebam que isso é tipo de comportamento e que não vai mudar. Para você mulher o que pode sobrar é sofrimento e um punhado de contas. Se isso já aconteceu com você, aceite minha solidariedade. Esse tipo de relação só causam traumas que vão afetar para sempre sua vida.

Mas acredite é HORA DE MUDAR sempre dá para evitar que aconteça de novo.

Comece admitindo que a culpa é sua por trazer para sua vida a pessoa que tentou arruiná-la; e imediatamente em seguida, tome algumas medidas preventivas.

Mudar velhos hábitos são muito difíceis de mudar, pois muitos se sentem atraídos por certos tipos de pessoas que mexem com o coração e com o bolso, mas é hora de parar de se relacionar com esse tipo de pessoa.

Falar é fácil, mas é muito difícil mudar o objeto de sua atração, eu sei. E por isso muitos simplesmente desistem e continuam sofrendo.

Sair de uma relação dessas, cair fora, apesar de não ser fácil e nem a mais agradável é a forma mais segura de estancar o sofrimento.

Entenda que geralmente é melhor se sentir protegido do que se sentir amado. Pense em você e só em você. Se cuide, você é o mais importante.

Agora, se depois de uma experiência dessas e se sente ainda atraída por mais um desses aproveitadores, é melhor pedir ajuda e não confiar mais em seu senso de julgamento.

Querer ter alguém é super normal, e também é normal querer voltar a situação conhecida, e este é um dos motivos que muitas retornam aos mesmos tipos de relacionamentos abusivos, muitas vezes até por desconhecerem outros tipos. Mas não faça isso, o mal conhecido não é melhor do que o desconhecido, os dois são péssimos e geram sofrimento.

Pare, dê um tempo em encontros e relacionamentos. Procure a ajuda de amigos dedicados. Eles podem auxiliá-la a sair da encrenca e mantê-la motivada durante o processo.

Encontre novas coisas para encher a sua vida e o seu coração.

violencia 2Sei que está pensando que essas alternativas não são o mesmo que um relacionamento, e não são mesmo, mas pelo menos estará segura.

É importante que tenha claro, que sempre que por um descuido, uma má avaliação, trouxer para sua vida uma pessoa errada, trate de terminar o mais rápido possível. Nada de tentar contornar, amaciar as coisas com conversar, pedidos de tempo para pensar, mensagens, e-mails, caia fora, ponto.

Quanto mais você prolongar só vai complicar ainda mais a situação, podendo acabar em agressões.

Se a pessoa continuar insistindo, comente com seus familiares e amigos, peça ajuda para que eles se assegurem que esteja bem.

Se ainda assim, sentir algum tipo de ameaça no ar, mesmo as mais leves, vá à polícia, não espere. Sei que é traumático, mas deixar a situação fugir do controle só vai te dar mais sofrimentos e tirar anos de sua vida.

E o impressionante é que isso acontece em todo tipo de relacionamento seja hetero, homo, ou qualquer outro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 3 =